Publicado por: Chinelo de Meter o Dedo | Março 17, 2010

Serra da Estrela Gelada

É bom sentirmo-nos assim, gelados até aos ossos, quase a não sentirmos as mãos, o desconforto que nos corre pela espinha a cima deste frio que se faz sentir, o pingo no nariz que não chega a cair pois congela antes de se desprender e as mãos…ai as mãos! Geladas e massacradas de levar porrada contra ao gelo quando não confiamos no piolet e voltamos a espetá-lo uma e outra vez!

Masoquistas? Não, nem coisa que se pareça mas no fundo a escalada invernal / em gelo é composta por estes sentimento e uma dose tremenda de espírito de sacrifício!

Inverno na Serra da Estrela

O inverno tem-nos retido em casa mais tempo do que seria de esperar. Depois de umas quantas viagens em vão para escalar e alguns treinos em indoor, resta-nos ler e reler o que os mais inspiradores aventureiros andam a fazer e sentirmo-nos inspirados.

Desta vez não cedi à rocha e ao trabalho e lá fui completar a cordada do Alcino e do Emanuel, com as expectativas em alta, confiante que o gelo estaria no seu melhor (tendo em conta o fim-de-semana passado), o dia prometia!

Na subida para a torre juntamo-nos à caravana do Sku que aguardava ansiosamente pela abertura da estrada e lá seguimos rumo ao ponto mais alto dos nossos sonhos de inverno.

A Serra da Estrela pode apresentar condições fantásticas em invernos rigorosos e este ano tem sido um desses anos especiais. No entanto depois dos primeiros passos na neve, reparamos que os nossos planos tinham sido traídos por uns milhares de flocos de neve e nem mesmo as cascatas se safavam, pena, muita pena mas tínhamos que aproveitar.

Geladas paredes do Cântaro

As hipóteses eram poucas, mas havia uma estética e atractiva linha que me chamou atenção, o gelo podre e extremamente fino não poderiam ser impeditivo ou poderiam?! Bem tanto podiam que foram, e depois da tentativa de iniciarmos o corredor lá tivemos que nos resignar e partir em busca de outra estrela…

Uma linha de misto

Desta vez foi a bela “Estrela Nocturna” que as fotografias não transmitem o quanto de nocturna ela tinha. Esta linha, da autoria de Paulo Roxo e Daniela (supomos), é uma bela actividade invernal. Coube-me a mim abrir o primeiro largo que ao contrário dos seus criadores terminou depois do “calhau” de ressalto.

Inicio da Estrela Nocturna

Parte de gelo na Estrela Nocturna

O Emanuel e o Alcino mais a baixo

Quase dois anos depois da minha última incursão pelo gelo, o regresso fez-se da melhor forma, a via foi uma agradável surpresa, ao nível de me deixar algumas vezes em suspense mas felizmente nenhuma em suspenso; o seu primeiro largo foi o que o inverno tem de melhor. Depois de mim seguiu-se o Emanuel que ao seu melhor estilo só parou a onde a corda não lhe deu mais hipótese e por fim restava ao Alcino descortinar a saída!

Primeira reunião

Emanuel a abrir o segundo largo

Alcino a limpar a via

Os restantes companheiros de viagem decidiram ir tomar um “Chá das Cinco” que também lhes reservava algumas surpresas!

O Prof., o Guterres e o Pedro na "Chá das Cinco"

Depois desta investida restava-nos que as condições climatéricas nos trouxessem frio nas próximas semanas!

É bom voltar ao inverno e à Estrela!

A cordada no final do dia

Atenção: A Estrela tem uma nova espécie de aves voadores que se despenham em voo picado quando menos esperamos, já não é a primeira vez que uma destas aves nos passa por cima das nossas cabeças enquanto escalamos uma bela cascata e o pitão de gelo se encontra bem lá em baixo, mas desta vez podemos presenciar uma destas aves de rapina a dar os seus primeiros passos…

Vermelho pequeno, este novo trenó ainda por estrear lá se separou dos seus progenitores em direcção a uma vida livre.

Se o ICN descobre, certamente terá mais uma razão para implicar com os importunadores escaladores que se aproximam demasiado dos seus ninhos de nidificação.

Por Sérgio Duarte


Responses

  1. completamente inspirador…

  2. Impressionante!
    Quem me dera ter lá estado convosco!
    Lindo, lindo!

  3. […] seguida, e após um longo período de ausência de neve, sendo que a minha última incursão foi na Estrela Nocturna na Serra da Estrela (em Março de 2010), escalo entusiasmado por um canal de neve estreito num […]

  4. […] seguida, e após um longo período de ausência de neve, sendo que a minha última incursão foi na Estrela Nocturna na Serra da Estrela (em Março de 2010), escalo entusiasmado por um canal de neve estreito num […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: